Postagem em destaque

Lex Luthor e o que eu seria sem Jesus.

Por Nilson Pereira.  Primeiramente quero deixar claro que este texto é destinado a cristãos bíblicos e maduros que entend...

Nilson (Nil) Pereira

Nilson (Nil) Pereira
Um Discípulo que vive para ser Bíblico e Missional, Pastor da Família, Professor e Escritor Amador.

segunda-feira, 15 de janeiro de 2018

Devocional IPCarioca 08/01/2018 Aprendendo com Cristo a amar o imperfeito (João 13:35; Mateus 22:34-40)

Um dos mais importantes e emblemáticos ensinamentos de Jesus é: ''amar a Deus sobre todas as coisas, e ao próximo como a ti mesmo''. Segundo o nosso Senhor, esta frase resume todo o Evangelho. Muitos de nós precisamos entender o contexto que engloba afirmações canônicas como esta. Por exemplo, para um cristão verdadeiro, seu cônjuge é o próximo ''mais próximo'' que pode existir. Em um casamento genuíno, você vai dormir e acordar todos os dias ao lado dele (a). Portanto, deve ser a pessoa que o tal cristão mais ama depois de Deus. Martinho Lutero, por exemplo, dizia que o Casamento é a maior Escola do Caráter, uma vez que, ao ser a relação humana que demanda maior intimidade, é também a que mais testa alguém quanto a Fé.
Nós não somos cristãos verdadeiros se não amarmos nossos cônjuges como Cristo ama Sua Igreja, de forma que, nada adianta amar qualquer outra pessoa se antes não amarmos a pessoa que prometemos diante de Deus viver ao lado em toda circunstância e para sempre. Não importa quanto úteis sejamos para o Reino, seremos reprovados. E isto não importando quem é tal pessoa, nem a condição de saúde do Casamento.
Para um cristão que almeja ser bíblico a Igreja Local e a Família são as instituições mais importantes que existe. Porém, elas nunca serão o que nós queremos que sejam. O desafio cristão é exatamente este, amar as duas acima de tudo e abaixo somente de Deus mesmo elas sendo imperfeitas para mim e para você. Este é o grande teste do Evangelho: ser semelhante a Jesus também amando pessoas imperfeitas, muitas vezes as que mais te ferem, pois como dizem, só nos machuca aqueles no qual você espera algo, e quanto mais se espera, maiores as chances disto acontecer.
Querem saber? Se Deus está na nossa Família e Igreja, por que temer amá-las? Primeiro porque nada nos torna mais próximos de Jesus do que isto, segundo que Deus torna didático absolutamente tudo na vida cristã (para forjar um Davi, Deus usa um Saul, com a intuito de forjar caráter), terceiro porque Deus é bom o tempo todo, Sua vontade é boa, perfeita e agradável (Romanos 12:2) e somente Ele tem condições de discernir o que é bom para Seus filhos, mesmo que pareça desesperador para nós a princípio, nós sempre acabamos dando o braço a torcer de que precisávamos passar por isso ( o livro de Salmos tem todo o contexto que demonstra isto, por exemplo).
Não temos desculpas para não amar, primeiro a Família e a Igreja Local, desobedecer uma das ordens mais importantes de Jesus não tem a ver com imperfeição das pessoas, e sim com o nosso ego, com nosso medo anti-bíblico de sofrer e de ter o controle da nossa vida. A grande verdade é esta. Deixemos Deus controlar tudo em nós sempre, inclusive por quem devemos ter uma vida de sacrifícios, nada é mais difícil e mais prazeroso do que perder o controle da nossa vida para Deus, e que possamos amar sem medidas.
Por Nilson Pereira

0 comentários:

Postar um comentário

Missionalidade:

Missionalidade:

Mapa Mundi.

Mapa Mundi.