Postagem em destaque

Lex Luthor e o que eu seria sem Jesus.

Por Nilson Pereira.  Primeiramente quero deixar claro que este texto é destinado a cristãos bíblicos e maduros que entend...

Nilson de O. P. Pereira

Nilson de O. P. Pereira
Um Cristão vivendo para ser Bíblico, Missional, Pastor de Família e Professor Reformado nas Relações.

Verdadeiro Cristianismo:

Verdadeiro Cristianismo:

quinta-feira, 11 de junho de 2015

Jurassic World e a volta da franquia dos dinossauros!




Por Nilson Pereira.

Uma das franquias pioneiras, e mais importantes para a História dos blockbusters está de volta! Desta vez, sem a direção de Steven Spielberg, mas com a produção do mesmo. Sob a direção de Colin Trevorrow, o quarto filme da franquia vem cheio de easter eggs, e com a função de tentar consertar a queda vertiginosa que a franquia sofreu do épico primeiro filme até o esquecível terceiro. E se olharmos por esta ótica, até que foi bem sucedido. O quarto filme da franquia é superior ao segundo e ao terceiro, de certa forma, não é um remake, muito menos um reboot, é uma continuação mesmo. 




Jurassic World é um bom filme, divertido, pipocão, Sessão da Tarde (no bom sentido deste termo). Não é nada fenomenal, revolucionário, ou épico como o primeiro filme de 1993 foi, mas é uma diversão garantida, principalmente para quem gosta de ficção científica, dinossauros e aventura. 

Como já frisei bem antes, não há nada que seja excepcional na direção do filme, Colin Trevorrow faz o básico, o ''feijão com arroz'' (o que não deixa de ser positivo, de certa forma), o elenco também cumpre seu papel, embora minhas maiores críticas seja neste ponto, pois o melhor dos seres animados no filme são justamente os dinossauros. As tomadas e aparições dos mesmos são bem interessantes e faz com que a criança interior de qualquer adulto se entretenha. 





Chris Pratt tem uma atuação boa, nada de excepcional, mas o suficiente para me fazer crer que a ressuscitação de uma das franquias mais importantes da minha vida, Indiana Jones, pode vir a dar certo. Bryce Dallas Howard faz um papel insosso, as vezes até meio pastelão, os meninos Nick Robinson e Ty Simpkins também estão abaixo do que muitos atores mirins conseguem trazer as telas, mas também não são uma negação. Porém, a maior decepção para mim é Vincent D'Onofrio. Após mitar na pele de um dos mais interessantes vilões das HQs, Wilson Fisk, o Rei do Crime, Vincent faz um papel esquecível, que em nenhum momento causa empatia no telespectador, e que a única vez no qual você presta atenção no personagem é em sua morte. Decepcionante. 







Jurassic Park: Jurassic World me divertiu. Me fez lembrar o primeiro filme em alguns raros momentos, conseguiu o que os outros dois filmes da franquia nunca conseguiram. Porém, está longe de ser um dos melhores filmes do ano, muito menos de chegar perto de se comparar com o novo Mad Max. Nota 8,8 para o retorno de Jurassic Park a Cultura Pop! 







0 comentários:

Postar um comentário

Sola Scriptura!

Sola Scriptura!