Postagem em destaque

Lex Luthor e o que eu seria sem Jesus.

Por Nilson Pereira.  Primeiramente quero deixar claro que este texto é destinado a cristãos bíblicos e maduros que entend...

Nilson (Nil) Pereira

Nilson (Nil) Pereira
Um Discípulo de Cristo que vive para ser Bíblico. Mateus 28:16-20

sexta-feira, 11 de janeiro de 2013

Os verdadeiros cristãos.




Por Nilson Pereira. 



Se hoje temos acesso ao cânon bíblico, aos ensinamentos preciosos da parte do Deus Altíssimo aos que creem, e a toda a base intelectual judaico-cristã, em grande parte devemos agradecer a vida dos mártires cristãos. Logicamente o soberania do Deus Altíssimo é o motivo da Bíblia se manter intacta, porém, foi através dos mártires que Ele certamente escolheu agir.



Sua preciosa Bíblia foi constituída a preço do sangue de quem foi cristão (no sentido etmológico do termo, ''pequeno Cristo'' - Atos 11:26 ) até o ponto de dar sua vida por sua fé, por crer que Cristo é o legítimo filho de Deus, e que ressuscitou dentre os mortos. 


Certa vez, eu indaguei a Deus o porque a Igreja Primitiva era, e continua sendo, o maior exemplo de Igreja no decorrer da História humana, o Espírito Santo me respondeu que o diferencial deles em relação a nós está no fato de que viviam todos os dias como se Cristo fosse voltar imediatamente. Não tinham tempo para pecuinhas, discussões fúteis, estavam dispostos a dar sua vida porque logo estariam com o Senhor. 


É comum perceber nas cartas canônicas dos discípulos de Cristo um teor escatológico que aponta realmente para uma expectativa breve quanto ao retorno de Jesus, o que demonstra uma gigantesca disparidade em comparação conosco, uma vez que o retorno triunfante do Messias quase não é discutido nas comunidades cristãs na Idade Contemporânea. 


Jesus ensina no Evangelho segundo João, capítulo 15, versículo 13, que ninguém tem amor maior do que aquele que dá sua vida pelos seus amigos, o que nos faz discernir que os mártires cristãos, desde a Antiguidade enxergaram em nós uma amizade que frequentemente não damos o valor histórico e espiritual que merece.


Ser mártir é sim algo que reflete a salvação individual do mesmo, porém, também é um legado para todas as gerações na Terra, enquanto houver Cristianismo, seja em qual era humana for, seja qual o sistema vigente político, social, econômico ou cultural as sociedades humanas estejam inseridas. Os mártires não entregaram suas vidas apenas pela sua própria salvação, mas também pela minha e pela sua, de todos os escolhidos do Altíssimo. Por meio do sacrifício de Cristo, fomos reconciliados com Deus(II Co 5:18), e por tal fato, Cristo nos deu o ministério da reconciliação, consumado no mais alto grau quando um mártir derrama seu sangue por amor a Cristo. 


Foram melhores amigos de Deus (Jo 15:14), aqueles que seguiram o Seu caminho (Mt. 20:22; Ap 17:6), reinaram com Ele e julgaram os homens e os anjos, a mais alta honra oferecida pelo Altíssimo (Ap 20:4).


Seja na Antiguidade através do  Império Romano e, o sistema religioso farisáico dos judeus, seja na Idade Média e na Idade Moderna, através da Igreja Romana, seja na Idade Contemporânea através, dos Estados comunistas, islâmicos, ou de qualquer outra forma no decorrer da História, os mártires deram sua vida por amor a Cristo, e para que você e eu pudéssemos viver uma vida cristã genuína. 


O que estamos fazendo com tal sacrifício? Será que a melhor forma de retribuir não seria comungar da mesma fé destes homens e mulheres de Deus?


Será que você tem entendido que nossa fé, como cristãos, nossa formação acadêmica, nosso estado de liberdade, por viver em uma nação democrática de direito, são para sustentar os mártires de hoje (seja se lançando no campo missionário, seja em oração, seja em ofertas), e honrar o sacrifício dos mártires das outras eras humanas? 


Segue um pequeno relato assustador sobre o martírio cristão no mundo contemporâneo, dados da fundação AIS:


''«São cerca 200 milhões os cristãos perseguidos a cada ano e a cada cinco minutos um cristão morre por causa da sua fé», afirma a fundação «Ajuda à Igreja que Sofre» (AIS).

Um dos casos mais graves de perseguição atinge neste momento a minoria cristã na Síria. Num país em revolução, a pressão dos militantes islâmicos já levou mais de mais de 50 mil cristãos a fugirem para o Líbano.''

Quantos de nós assistimos o noticiário, de onde sai diariamente informações sobre a situação atual da Síria, e pelo menos tiramos dois minutos do nosso dia para orar por nossos irmãos sírios? 

O caso dos cristãos sírios é apenas um exemplo, o mais atual, porém, não é nem de longe o único, nem o mais grave. 

De Estevão ao missionário que acaba de ser assassinado por conta de sua fé agora mesmo, a vida dos mártires DEVEM inspirar aquele que diz crer em Cristo. 

Que o Espírito Santo te mostre ao ler este artigo a gravidade deste tema. Ser cristão de verdade passa fundamentalmente por estar em volto com tal assunto. Afinal missões é essência do Cristianismo, todo cristão é missionário, não há nada com que Deus mais se importe do que missões. 

Igreja quer dizer eclessia, palavra grega que significa ''os voltados para fora'', seja Igreja no sentido fiel e etmológico da palavra, seja cristão de verdade, se envolva com missões e ore pelos mártires. 
 Entregar uma vida não significa morrer fisicamente necessariamente, significa ser consumido, estar envolvido, concentrado, entregue a uma causa.

Se você conheceu a Cristo é por conta do sacrifício do mesmo, e também pela entrega destes heróis da fé, anônimos ou famosos, que um dia Jesus e outros possam dizer o mesmo de mim e de você. 

Que a Paz de Deus esteja convosco. 

'' Todo cristão ou é um missionário, ou é um impostor.'' Charles Spurgeon 



Referências Bibliográficas: 

FOX, John. O livro dos Mártires. Rio de Janeiro: CPAD, 2001.











0 comentários:

Postar um comentário

Missionalidade:

Missionalidade:

Mapa Mundi

Mapa Mundi