Postagem em destaque

Lex Luthor e o que eu seria sem Jesus.

Por Nilson Pereira.  Primeiramente quero deixar claro que este texto é destinado a cristãos bíblicos e maduros que entend...

.

.

.

.

.

Nilson de O. P. Pereira

Nilson de O. P. Pereira
Um Cristão vivendo para ser Bíblico, Missional, Pastor de Família e Professor Reformado nas Relações.

Verdadeiro Cristianismo:

Verdadeiro Cristianismo:

segunda-feira, 16 de dezembro de 2013

Nenhum título poderia ser capaz de descrever.

Por Nilson Pereira. 


Há cerca de três anos atrás, depois de um período bastante conturbado em minha vida, o Senhor me faria criar a Celonline, inspirado em algo que tinha ouvido no acampamento de carnaval da Igreja Batista Getsemani.  O que para alguns era só um chat bobo, para outros uma forma de aparecer, para nós um importante instrumento de santificação em Cristo Jesus. Até hoje nunca fui tão cheio do Espírito Santo como naquela época. Neste acampamento em questão, conheci duas das pessoas mais importantes da minha vida até hoje, Riccelli e a Priscila. Da Celonline o Senhor agiu muito, e não cabe aqui neste singelo texto tudo o que Ele fez em nossas vidas, somente quem viveu aquele tempo sabe, como a Maysa, o Juninho, a Tamires, a Meri, o Ruy, a Sara, a Stephanie, a Ana Paula, o Deleon, o Anysson, o Allyson, o Pedro, a Jessica, a Samara, a Michele, a Ellen, a Fabiana e tantos outros que estiveram lá, estiveram em minha vida com um grau de importância, e por variados motivos hoje não estão mais, mas cujo Senhor fez valer vários frutos através dela que permanecem até hoje. Alguns, de suma importância para mim, e que não eram efetivos na Celonline, mas que conheci através de lá, em alguma forma, como o Jeferson, o Calebe  a Carla Sandrini, e alguns que são até maiores que eu no Reino de Deus hoje, e que vi menino na fé, como o , Raian, Gregory e o Michael, ou que conheci já maduro, e que muito me abençoou, como , o Arthur, a Raquel, o Diogo. Gente me chamou imerecidamente de líder e até de pastor um dia, imerecido porque eu nunca fui líder de vocês, muito menos pastor, eu sempre fui um amigo, e nós éramos grandes amigos do Deus Altíssimo, era apenas um irmão mais velho, nunca um pai, e aproveito este texto para pedir perdão por um dia ter me deixado chamar de alguns destes adjetivos por vocês, porque tudo sempre foi somente por Cristo, para Cristo e de Cristo. Ao mesmo tempo em que bate certa tristeza por um dia ter acabado aquele tempo tão edificante, o Senhor enche meu coração de alegria ao lembrar de  cada um de vocês e de tantos que não citei, por ver os frutos de tudo isto vivendo em Cristo até hoje nas vossas vidas. Alguns líderes, outros casados, outros com amizades eternas entre si, outros pregando, outros fazendo missões, tudo isso nunca foi por causa da Celonline, mas foi lá que o Senhor mostrou, direta ou indiretamente, todas estas questões, seja apenas iniciando, seja de forma mais completa. Sabe gente, até hoje o Senhor usa aquele tempo para me manter de pé, sou tão falho, tão inconstante, que as vezes lembrar de cada um de vocês, do quanto vocês acreditaram em mim quando nem eu mesmo acreditava mais, do quanto vocês lutaram por mim, do quanto vocês ouviram tudo o que o Senhor me usou para falar, seja em pregação, seja em aconselhamento, seja em apenas uma conversa, para a Honra e a Glória Dele somente, me faz me sentir feliz, me faz sentir que o Senhor gerou frutos lindos e eternos (Mt 7:15-20). Eu sou um cristão reformado e creio na depravação total do homem, inclusive na minha, e as vezes me sinto tão pecador, tão indigno, tão longe de ser quem Deus quer que eu seja, mas olhar e lembrar para vocês, no que eram, e no que são em Cristo hoje, me faz perceber que mesmo sendo o que sou, o Senhor é Poderoso para me usar.Podem ter total certeza de que ninguém é mais abençoado em Cristo por aquele tempo do que eu. Vivi muita coisa em Cristo antes da Celonline, vivo muita coisa depois, mas tudo foi tão inesquecível por lá, e tão permanente, que eu sempre estarei lá, de alguma forma, naquele tempo. Eu apenas escrevi tudo isso para agradecer a vocês, por acreditarem no que sou em Deus mais do que eu, por estiverem e estarem do meu lado, no caso de alguns até hoje. Por olharem para mim e mesmo sendo quem eu sou enxergarem a Cristo. Vocês nunca terão ideia do que isto significa para mim. E cada vez mais raro encontrar alguém que acredite em você, e palavra alguma pode descrever a importância de se ter quem acredita em você na vida. Eu vivo por crer que absolutamente tudo que acontece em nossas vidas tem um único propósito, nos tornar parecidos com Cristo cada vez mais, e este texto é apenas para ser uma forma de tentar realizar o que mais o Espírito Santo me toca para fazer, porém, vocês estão espalhados por este Brasil de dimensões continentais, seria impossível, mas eu só queria cumprir com vocês o que nosso Senhor mais nos ensinou na Celonline, e que vocês aprenderam melhor do que eu: lavar os pés um dos outros. Em Cristo, amo muito vocês, e que o Senhor retribua tudo o que vocês já fizeram por mim, porque eu nunca seria capaz de retribuir. Ninguém tem mais valor na minha vida do que quem acredita em mim, porque antes de tudo e de todos, o meu Senhor acreditou. Vocês são a prática de tudo que lemos na teoria observando as Escrituras ou o livros baseados nela.  Deus abençoe vocês, e obrigado, muito obrigado mesmo, por serem a expressão de Cristo em mim. 

sexta-feira, 6 de dezembro de 2013

O calvinista.

Por Nilson Pereira.

Postando aqui um poema genial que expressa bem como nós, cristãos reformados somos, ou deveríamos ser. Aproveitando e homenageando um dos homens de Deus que mais influenciam minha vida, o mestre John Piper. Obrigado Senhor pela vida deste homem.




O calvinista:

Por John Piper: 

                                 Veja-o em seus joelhos,

                          Ouça seus constantes apelos:
                           No coração de cada clamor:
                           "Santificado seja o Senhor."

Veja-o na Escritura,
Calmo, tranquilo e com doçura,
A fogueira alimentando
Até vê-la queimando.


Veja-o com seus livros:
Como árvore nos ribeiros,
Nas raízes a se alimentar
Até o ramo frutificar.



Veja-o com sua caneta:
Linhas numa caderneta.
Quanto mais o pensamento é fecundo,
Mais na Palavra é profundo.



Veja-o na praça,
Protegido da sutil desgraça:
Farejando com acuidade
O cheiro da verdade.



Veja-o nas ruas,
Em buscas e súplicas suas,
Dócil e com valor:
"Você conhece o meu Senhor?"



Veja-o em debate,
Firme e sem abate,
Guiado pelo louvor
Ao nome do Criador.



Veja-o em seu negócio.
O trabalho é feito sem ócio.
Homens tem sua destreza,
Tal como o Pai a deseja.



Veja-o em sua refeição,
Desejando, em oração,
Graças e louvores
A Deus em todos os sabores.
Veja-o com seu rebento:
Quando foi que tal contentamento
Tomou-lhe em alguma ocasião,
Simplesmente por brincar no chão?


Veja-o com sua querida,
Parábola para a vida:
Neste sagrado panorama
Dos céus ela é a dama.



Veja-o perdido. Ele lastima.
"Há uma verdade," ele atina.
"O que resta à humanidade?
Falibilidade."



Veja-o em lamento.
"Devo entrar em arrependimento?"
"Sim. E uma proclamação:
Tudo é para a Minha reputação."



Veja-o adorando.
Observe o pecador cantando,
Poupado da flamejante enchente,
Pelo sangue, somente.



Veja-o à beira-mar:
"Donde este oceano pode se provisionar?"
"Lá do alto, do seu Senhor,
Demonstrando um pouco do Seu amor."



Veja-o a dormir.
Observe o inevitável partir,
Não há crédito neste feito,
Apenas se vai, e está satisfeito.



Veja-o no momento letal.
Escute seu suspiro final,
Em meio à dor sem tamanho:
O último sussurro: "Ganho!"




                                     The calvinist:

John Piper.

See him on his knees,
Hear his constant pleas:
Heart of ev’ry aim:
“Hallowed be Your name.”

See him in the Word,
Helpless, cool, unstirred,
Heaping on the pyre
Heed until the fire.

See him with his books:
Tree beside the brooks,
Drinking at the root
Till the branch bear fruit.

See him with his pen:
Written line, and then,
Better thought preferred,
Deep from in the Word.

See him in the square,
Kept from subtle snare:
Unrelenting sleuth
On the scent of truth.

See him on the street,
Seeking to entreat,
Meek and treasuring:
“Do you know my King?”

See him in dispute,
Firm and resolute,
Driven by the fame
Of his Father’s name.

See him at his trade.
Done. The plan is made.
Men will have his skills,
If the Father wills.

See him at his meal,
Praying now to feel
Thanks and, be it graced,
God in ev’ry taste.

See him with his child:
Has he ever smiled
Such a smile before,
Playing on the floor?

See him with his wife,
Parable for life:
In this sacred scene
She is heaven’s queen.

See him stray. He groans.
“One is true,” he owns.
“What is left to me?
Fallibility.”

See him in lament
“Should I now repent?”
“Yes. And then proclaim:
All is for my fame.”

See him worshipping.
Watch the sinner sing,
Spared the burning flood
Only by the blood.

See him on the shore:
“Whence this ocean store?”
“From your God above,
Thimbleful of love.”

See him now asleep.
Watch the helpless reap,
But no credit take,
Just as when awake.

See him nearing death.
Listen to his breath,
Through the ebbing pain:
Final whisper: “Gain!”







domingo, 22 de setembro de 2013

Identidade cristã.




Por Nilson Pereira.

Aqui se encontra uma das passagens mais importantes das Escrituras Sagradas. Aqui se encontra a oração mais importante do Ser mais importante que pode existir. Aqui se encontra a intercessão do Senhor de tudo e de todas as coisas vivas que existem, por mim, e por você, meu irmão. Eu amo as Escrituras com minha própria vida, e este capítulo do Evangelho do Apóstolo João é mais do que especial, é a base do entendimento do que é ser um bom cristão. Aqui estão as bases da Teologia Reformada, aqui está  o entendimento supremo de que não podemos ser nada, absolutamente nada, sem o Senhor Jesus. Aqui se encontra o entendimento de que é a vontade do Deus Altíssimo que estejamos no mundo, mas que não sejamos dele. E o único critério disto é a Eleição incondicional do Deus Criador de todas as coisas. No verso 9, Jesus diz que não clama pelo mundo, mas para aqueles que o Altíssimo O deu. Aqui, Cristo nos ensina que um verdadeiro cristão deve ser cristão onde for, neste mundo, ou em qualquer outro lugar possível. Aqui as Escrituras destroem todo sofisma de que fomos chamados para viver numa miserável ''bolha gospel'', pelo contrário, fomos chamados para estar no mundo, e não sendo dele, e sim do Senhor. Eu amo este capítulo mais do que tudo na vida, porque quase nada expressa mais o amor do meu Deus por mim do que ele. Que o Senhor nos abençoe ao entender quem somos para Ele definitivamente, e qual o nosso papel como cristão neste mundo, ou em qualquer outro lugar possível. 

Soli del Gloria, Sola Gratia, Solus Christus, Sola Fide, Sola Scriptura. 

João 17 (Versão NVI): 

1 Depois de dizer isso, Jesus olhou para o céu e orou: "Pai, chegou a hora. Glorifica o teu Filho, para que o teu Filho te glorifique.
2 Pois lhe deste autoridade sobre toda a humanidade, para que conceda a vida eterna a todos os que lhe deste.
3 Esta é a vida eterna: que te conheçam, o único Deus verdadeiro, e a Jesus Cristo, a quem enviaste.
4 Eu te glorifiquei na terra, completando a obra que me deste para fazer.
5 E agora, Pai, glorifica-me junto a ti, com a glória que eu tinha contigo antes que o mundo existisse.
6 "Eu revelei teu nome àqueles que do mundo me deste. Eles eram teus; tu os deste a mim, e eles têm guardado a tua palavra.
7 Agora eles sabem que tudo o que me deste vem de ti.
8 Pois eu lhes transmiti as palavras que me deste, e eles as aceitaram. Eles reconheceram de fato que vim de ti e creram que me enviaste.
9 Eu rogo por eles. Não estou rogando pelo mundo, mas por aqueles que me deste, pois são teus.
10 Tudo o que tenho é teu, e tudo o que tens é meu. E eu tenho sido glorificado por meio deles.
11 Não ficarei mais no mundo, mas eles ainda estão no mundo, e eu vou para ti. Pai santo, protege-os em teu nome, o nome que me deste, para que sejam um, assim como somos um.
12 Enquanto estava com eles, eu os protegi e os guardei pelo nome que me deste. Nenhum deles se perdeu, a não ser aquele que estava destinado à perdição, para que se cumprisse a Escritura.
13 "Agora vou para ti, mas digo estas coisas enquanto ainda estou no mundo, para que eles tenham a plenitude da minha alegria.
14 Dei-lhes a tua palavra, e o mundo os odiou, pois eles não são do mundo, como eu também não sou.
15 Não rogo que os tires do mundo, mas que os protejas do Maligno.
16 Eles não são do mundo, como eu também não sou.
17 Santifica-os na verdade; a tua palavra é a verdade.
18 Assim como me enviaste ao mundo, eu os enviei ao mundo.
19 Em favor deles eu me santifico, para que também eles sejam santificados pela verdade.
20 "Minha oração não é apenas por eles. Rogo também por aqueles que crerão em mim, por meio da mensagem deles,
21 para que todos sejam um, Pai, como tu estás em mim e eu em ti. Que eles também estejam em nós, para que o mundo creia que tu me enviaste.
22 Dei-lhes a glória que me deste, para que eles sejam um, assim como nós somos um:
23 eu neles e tu em mim. Que eles sejam levados à plena unidade, para que o mundo saiba que tu me enviaste, e os amaste como igualmente me amaste.
24 "Pai, quero que os que me deste estejam comigo onde eu estou e vejam a minha glória, a glória que me deste porque me amaste antes da criação do mundo.
25 "Pai justo, embora o mundo não te conheça, eu te conheço, e estes sabem que me enviaste.
26 Eu os fiz conhecer o teu nome, e continuarei a fazê-lo, a fim de que o amor que tens por mim esteja neles, e eu neles esteja".

João 17:1-26

domingo, 25 de agosto de 2013

O texto mais importante das Escrituras.



Por Nilson Pereira.


'' Porque todos pecaram e destituídos estão da glória de Deus; Sendo justificados gratuitamente pela sua graça, pela redenção que há em Cristo Jesus. Ao qual Deus propôs para propiciação pela fé no seu sangue, para demonstrar a sua justiça pela remissão dos pecados dantes cometidos, sob a paciência de Deus; Para demonstração da sua justiça neste tempo presente, para que ele seja justo e justificador daquele que tem fé em Jesus.'' Romanos 3:23-26









O capítulo 3 do livro de Romanos, considerado pela maioria dos teólogos como ‘’ o grande panfleto do Evangelho’’, por se tratar de uma carta paulina voltada para todos os cristãos de todas as épocas e culturas (até mesmo por Roma no século I ser a cidade cosmopolita do mundo antigo), é o capítulo cujo apóstolo Paulo, considerado o  grande ícone da Teologia cristã, trata da relação entre a Graça divina, a salvação baseada somente pela fé, e a mudança de aliança de Deus com os homens em Cristo.


O apóstolo explica que a Lei mosaica, no que discerne a sua vertente moral, e somente nesta, continua a vigorar para todo cristão, porém, sua vertente cerimonial, foi abolida completamente no Sumo Sacerdote Eterno (Hb 4:14; Hb 5:10), Jesus Cristo.

Os versos 23 até o 28 são considerados por teólogos renomados como o Dr. Martyn Lloyde-Jones e o pastor Paul David Washer, o ponto auto das Escrituras Sagradas.

Fato é, que este capítulo mostra claramente que sacrifício expiatório de Cristo é definitivo e único, não há necessidade de expiação de nenhuma criatura nunca mais, e todo aquele que Nele crê, é salvo em Cristo Jesus, não  há obra alguma capaz de salvar o homem, a não ser a fé no Cristo ressurreto. 


'' Este texto é o grande baluarte das Escrituras, a grande acrópole da Bíblia.'' Dr. Martyn Lloyde-Jones 





''Não entendemos a cruz de Cristo, não  entendemos o que é Evangelho, não entendemos quem somos, e o que somos diante do Deus Altíssimo também, sem entender esta passagem. Entender este texto, nos faz entender que a questão não é o quão útil você pode se tornar, ou o quão bem sucedido nossos ministérios parecem ser, é sobre ser moldado a imagem de Cristo. Absolutamente tudo em nossas vidas é direcionado para nos moldar. Deus não é movido por mãos humanos como se Ele precisasse de nós, Ele nos concede o privilégio de participar na grande obra que Ele está fazendo. Mas o grande objetivo de Deus não é nos tornar servos bem-sucedidos, o grande objetivo de Deus é nos tornar a imagem de Cristo.''   Paul David Washer 







quarta-feira, 14 de agosto de 2013

Crônicas de um coração pastoral 2!



Por Nilson Pereira.

Estive ouvindo um sermão do reverendo Augustus Nicodemus hoje sobre o autor do livro de Hebreus, ao mesmo tempo, li numa rede social uma frase de Paul Washer que dizia:

''Não existem grandes homens de Deus, existem pobres e miseráveis pecadores escolhidos por um grande Deus.'' Paul Washer

Eu tenho o hábito de refletir em declarações ou frases de efeito bastante, procuro maximizar tais declarações ou frases, traçar correlações entre estas e partes das Escrituras, e sobretudo, com as experiências que já tive com o Altíssimo não apenas nos 9 anos de convertido que tenho, mas em toda a minha vida. 

Lembrei de vários momentos, lembrei de textos como:

Aos quais foi revelado que, não para si mesmos, mas para nós, eles ministravam estas coisas que agora vos foram anunciadas por aqueles que, pelo Espírito Santo enviado do céu, vos pregaram o evangelho; para as quais coisas os anjos desejam bem atentar. 1 Pedro 1:12

Mas em certo lugar testificou alguém, dizendo:Que é o homem, para que dele te lembres?Ou o filho do homem, para que o visites?
Tu o fizeste um pouco menor do que os anjos,De glória e de honra o coroaste,E o constituíste sobre as obras de tuas mãos; Hebreus 2:6-7


Porque tenho para mim, que Deus a nós, apóstolos, nos pôs por últimos, como condenados à morte; pois somos feitos espetáculo ao mundo, aos anjos, e aos homens.
Nós somos loucos por amor de Cristo, e vós sábios em Cristo; nós fracos, e vós fortes; vós ilustres, e nós vis.
Até esta presente hora sofremos fome, e sede, e estamos nus, e recebemos bofetadas, e não temos pousada certa,
E nos afadigamos, trabalhando com nossas próprias mãos. Somos injuriados, e bendizemos; somos perseguidos, e sofremos;
Somos blasfemados, e rogamos; até ao presente temos chegado a ser como o lixo deste mundo, e como a escória de todos.
Não escrevo estas coisas para vos envergonhar; mas admoesto-vos como meus filhos amados.
Porque ainda que tivésseis dez mil aios em Cristo, não teríeis, contudo, muitos pais; porque eu pelo evangelho vos gerei em Jesus Cristo.
Admoesto-vos, portanto, a que sejais meus imitadores. 1 Coríntios 4:9-16


Dentre outros.

Sou mesmo o que Paul Washer diz, sou com certeza, só eu e Deus sabemos o quanto sou depravado sem a irresistível Graça Dele, só nós sabemos das minhas misérias e pecados, mas o Senhor me chamou para destrancar ministérios, de ser visionário quanto o propósito do Criador na vida de seus escolhidos, não vem de mim, vem das Escrituras e do Senhor, mas tenho realmente este dom. O  Senhor me fez lembrar das várias vezes que fui injustiçado, me fez lembrar das várias vezes que fui humilhado, que sofri com raiva, ofensas, desaforos dentre outras questões, daqueles que o Senhor pôs na minha vida para eu ensinar.

Lembrei também das vezes que eu fiz tais coisas aos que me admoestaram em algum momento da minha vida, inclusive entre minhas ''ovelhas''. Eu lembro que já fui tão tolo que me gabava de ser o rei das discussões, e que nunca havia perdido uma única. Como Salomão está certo em Eclesiastes, vaidade...


Mas lembrei também que muitos destes que me injuriaram, me entristeceram, que teimaram comigo, estão vivendo exatamente o que o Senhor havia me mostrado para a vida deles. Minha emoção e alegria é tão grande ao ver isto, que o Senhor nem me permite pensar o velho ''eu te avisei'', apenas um sonoro é maravilhoso ''Glória a Deus''!

Eu errei muito, provavelmente magoei gente que nem imagino, magoei gente que nem quer saber de mim como líder, sofri, sofro, sofrerei, mas nada que eu ouvi, que me magoaram temporariamente na vida, me fez desistir de ninguém. Tenho minha consciência limpa diante do Senhor, e minha insistência e os ''sapos'' nos quais engoli, fizeram gente caminhar rumo ao centro da vontade de Deus para eles. Isto é a maior emoção da minha vida, é meu orgulho no Evangelho, é o meu amor.

Este singelo artigo é para encorajar você, que pode ter um amigo, um liderado, um líder, um cônjuge, teimoso que se recusa a seguir em frente no que Deus tem para ele, mesmo o Senhor te mostrando claramente que é para seguir, insista, lute, vá até o fim, afinal o Senhor faz isso conosco o tempo todo, afinal, o Senhor escolhe Seus escolhidos, não os que podem, os que devem, ou os que tem capacidade, Ele escolhe quem simplesmente escolheu, e geralmente, gente que não tem a mínima capacidade, o mínimo tempo, o mínimo amadurecimento, gente conforme a mim, ou a você,  para que o Altíssimo demonstre sua Soberania.

Insista, vale a pena demais, insista lembrando que uns plantam, outros regam, outros colhem. Entender isso evita frustrações, e dá forças a insistir. Ver o fruto do seu trabalho no Senhor é único, faz esquecer qualquer coisa que vem antes, faz você se sentir o que nasceu para ser, alguém escolhido por Deus.

O seu problema de hoje, pode ser o seu orgulho de amanhã, Deus é expert em fazer isto. Deus nos abençoe.

Pois, quem é Paulo, e quem é Apolo, senão ministros pelos quais crestes, e conforme o que o Senhor deu a cada um?
Eu plantei, Apolo regou; mas Deus deu o crescimento.
Por isso, nem o que planta é alguma coisa, nem o que rega, mas Deus, que dá o crescimento.
Ora, o que planta e o que rega são um; mas cada um receberá o seu galardão segundo o seu trabalho.
Porque nós somos cooperadores de Deus; vós sois lavoura de Deus e edifício de Deus.
Segundo a graça de Deus que me foi dada, pus eu, como sábio arquiteto, o fundamento, e outro edifica sobre ele; mas veja cada um como edifica sobre ele.
Porque ninguém pode pôr outro fundamento além do que já está posto, o qual é Jesus Cristo.
E, se alguém sobre este fundamento formar um edifício de ouro, prata, pedras preciosas, madeira, feno, palha,
A obra de cada um se manifestará; na verdade o dia a declarará, porque pelo fogo será descoberta; e o fogo provará qual seja a obra de cada um.
Se a obra que alguém edificou nessa parte permanecer, esse receberá galardão.
Se a obra de alguém se queimar, sofrerá detrimento; mas o tal será salvo, todavia como pelo fogo.
Não sabeis vós que sois o templo de Deus e que o Espírito de Deus habita em vós?
Se alguém destruir o templo de Deus, Deus o destruirá; porque o templo de Deus, que sois vós, é santo.
Ninguém se engane a si mesmo. Se alguém dentre vós se tem por sábio neste mundo, faça-se louco para ser sábio.
Porque a sabedoria deste mundo é loucura diante de Deus; pois está escrito: Ele apanha os sábios na sua própria astúcia.
E outra vez: O Senhor conhece os pensamentos dos sábios, que são vãos.
Portanto, ninguém se glorie nos homens; porque tudo é vosso;
Seja Paulo, seja Apolo, seja Cefas, seja o mundo, seja a vida, seja a morte, seja o presente, seja o futuro; tudo é vosso,
E vós de Cristo, e Cristo de Deus. 
1 Coríntios 3:5-23

segunda-feira, 5 de agosto de 2013

Crônica de um coração pastoral.

Por Nilson Pereira.


Um dia eu passei pelos piores momentos da minha vida, e passei sozinho, na companhia apenas de Deus.

Foram momentos de sofrimento, de abandono, de descrédito diante de quem eu achei que jamais faria isto comigo. De quem adotei como família um dia. Mas o Altíssimo jamais me deixou sem sua doce cia.

Nestes dias, usei meu dom de conhecimento e tentei ser o máximo possível bíblico, percebi na pele que Deus molda caráteres nos momentos difíceis, e prometi a Deus e a mim mesmo que jamais faria o mesmo que fizeram comigo com ninguém. Que faria de tudo para ser o mais bíblico líder que a humanidade já viu, que iria fazer de tudo, dar tudo de mim por quem Deus escolhesse para caminhar comigo.

Sei que por ser humano e imperfeito passei muitas vezes longe deste objetivo. Outras vezes perto, ganhei gente nova, perdi muita gente antiga. Sofri com a ingratidão, chorei por pessoas, perdi noites de sono, perdi momentos com outras pessoas especiais, feri, exagerei muitas vezes em nome de amar, chatiei, desencorajei, mas mesmo com todos os meus defeitos, tenho a consciência tranquila diante de Deus que dei tudo de mim por muitos.

Liderar alguém muitas vezes é desconfortante, e confrontador, pois nossa ideia de líder é diferente da bíblica, pois no Evangelho líder é o que mais serve, o primeiro a chegar, e o último a sair. Mas nada paga os que dão certo, nenhum valor do mundo pode se comparar a ver as ''ovelhas'' que o Senhor te dá crescendo e frutificando as Palavras que um dia você proferiu a elas. Mesmo as feridas que algumas causam,  que te viram as cosas, com discursos de que ''agradeço a Deus por tudo que tu fez por mim'', mas que sabemos por conta de atitudes que são apenas palavras jogadas ao vento, e cumprimento de protocolo, podem se comparar a alegria de ver alguém que Deus confiou a você um dia de pé, vivendo o que Deus escolheu para ela.

Eu não espero mais gratidão de ninguém, confesso que já esperei muito, mas a gente cresce e aprende que não dá, que está não é a motivação bíblica correta, apenas espero cumprir minha promessa ao meu Deus até minha morte, apenas espero de coração que ninguém das pessoas que Ele escolheu para cruzarem meu caminho passe pelas mesmas coisas que já passei quando estive só, e se ao menos você, que lê este artigo agora, entender que isso é a essência do Evangelho de Cristo, ensinar e cuidar de pessoas com tudo o que você é (Jo 15:13), já vai ter valido a pena.

Tudo nesta vida passa, mas o legado de Cristo e o nosso, seus seguidores, permanece para sempre.

Liderar pessoas, sofrimento garantido, compensação indescritível. #Semprevaleapena

domingo, 7 de julho de 2013

Os cinco pontos da Teologia Reformada.



Por Nilson Pereira. 

Dando a sequência a priorizar o que o Deus Altíssimo tem me ensinado, sobre esclarecer aos cristãos mais da Apologética Bíblica, e sobretudo, mais da nossa História, vou abordar agora  um dos assuntos mais importantes da fé cristã reformada: os cinco pontos do Calvinismo.  Quero deixar claro que este artigo é apenas um esboço, ao contrário dos outros dois que citarei, é apenas para expor os cinco pontos, colocarei ao fim uma bibliografia indicativa no fim do artigo para quem deseja se aprofundar mais sobre o tema. Com este tema, fecho as três ideologias mais importantes para um cristão reformado:



* Os cinco pontos do Calvinismo, no qual segue as suas apresentações:


Os Cinco Pontos do Calvinismo: 

Os Cinco Pontos do Calvinismo, (conhecidos pelo acróstico TULIP, referente às iniciais dos pontos em inglês) são uma síntese dos cânones teológicos definidos no Sínodo de Dordrecht, no âmbito da disputa entre calvinistas e arminianos acerca das doutrinas da Graça e da Predestinação. Eles refletem a soteriologia típica do movimento calvinista, interpretando a natureza da graça de Deus na salvação da criatura humana. Seu eixo é a afirmação de que Deus é perfeitamente capaz de salvar cada pessoa que Ele tenha a intenção de tornar objeto de sua graça salvadora e que seu trabalho não pode ser frustrado por algo ou alguém que fique no caminho, na tentativa de impedir sua conclusão.

Esses Cinco Pontos são:

Depravação total do homem;

chamada de "depravação radical", "corrupção total" e "incapacidade total". Indica que toda criatura humana, em sua condição atual, ou seja, após a queda, é caracterizada pelo pecado, que a corrompe e contamina, incluindo a mente. Por isso, afirma-se que ninguém é capaz de realizar o que é verdadeiramente bom aos olhos de Deus. Em contrapartida, o ser humano é escravo do pecado, por natureza hostil e rebelde para com Deus, espiritualmente cego para a verdade, incapaz de salvar a si mesmo ou até mesmo de se preparar para a salvação. Só a intervenção direta de Deus pode mudar esta situação.

Eleição incondicional;

Eleição significa "escolha". É a escolha feita por Deus desde toda a eternidade, daqueles a quem ele concedeu a graça da salvação. Esta escolha não se baseia no simples mérito, ou na fé das pessoas que ele escolhe, mas se baseia em sua decisão soberana e incondicional, irrevogável e insondável. Isso não significa que a mesma salvação final é incondicional, mas que a condição em que assenta (fé) é concedida também pela graça de Deus, como seu presente para aqueles a quem Ele escolheu incondicionalmente.

Expiação limitada;

Também chamada de "redenção particular" ou "redenção definida", significa a doutrina segundo a qual a obra redentora de Cristo foi apenas visando a salvação daqueles que têm sido alvo da graça da salvação. A eficácia salvífica do Cristo redentor, então, não é "universal" ou "potencialmente eficaz" para quem iria recebê-lo, mas especificamente designada para tornar possível a salvação daqueles a quem Deus Pai escolheu desde antes da fundação do mundo. Os calvinistas não acreditam que a expiação é limitada em seu valor ou poder (se Deus o Pai quisesse, teria salvo todos os seres humanos sem excepção), mas sim que a expiação é limitada na medida em que foi destinada para alguns e não para todos.

Vocação eficaz (ou Graça Irresistível);

Também conhecida como "graça eficaz", esta doutrina ensina que a influência salvífica do Espírito Santo de Deus é irresistível, superando toda e qualquer resistência. Quando então, Deus soberanamente visa salvar alguém, o indivíduo não tem como resistir à essa graça da vida eterna com o próprio Deus.

Perseverança dos santos.

Também conhecida como "preservação dos santos" ou "segurança eterna", este quinto ponto sugere que aqueles a quem Deus chamou para a salvação, e depois, à comunhão eterna com ele (" santos ", segundo a Bíblia) não podem cair em desgraça e perder sua salvação. Mesmo que, em suas vidas, o pecado os leve a renunciar à sua profissão de fé, eles (se eles são autênticos eleitos), mais cedo ou mais tarde, retornarão à comunhão com Deus Essa doutrina é baseada na suposição de que a salvação é obra de Deus do começo ao fim, que Deus é fiel às Suas promessas, e que nada nem ninguém pode impedir Seus propósitos soberanos. Este conceito é ligeiramente diferente do conceito usado em algumas igrejas evangélicas, de "uma vez salvos - salvos para sempre", apesar da apostasia, a falta de arrependimento ou a permanência no pecado, desde que eles tiverem realmente aceito a Cristo no passado. No ensino tradicional calvinista, se uma pessoa cai em apostasia ou não mostra mais sinais de arrependimento genuíno, pode ser prova de que ele nunca foi realmente salvo, e, em seguida, que não fazia parte do número dos eleitos.





Bibliografia indicativa:








segunda-feira, 17 de junho de 2013

Pós-Segunda Guerra Mundial. Uma visão historiográfica de ''O Leitor''.




Por Nilson Pereira. 

1. Introdução – Dados do filme:

          O filme O Leitor é uma adaptação cinematográfica de nacionalidade mista, entre Estados Unidos e Alemanha, baseada no livro de mesmo nome, escrito pelo jurista e escritor alemão Bernhard Schlink, lançado no ano de 1995 pela primeira vez, hoje com 39 traduções diferentes ao redor do mundo.
A adaptação cinematográfica foi feita pelo roteirista David Hare e dirigida pelo diretor Stephen Daldry. Foi lançada no ano de 2008.
O elenco é estrelado pela atriz inglesa Kate Winslet, ganhadora do Oscar de melhor atriz em 2009, por conta de sua atuação em O Leitor, pelo ator alemão David Kross  e por Ralph Fiennes, ator de nacionalidade inglesa, que interpretam o mesmo personagem, Michael Berg, em idades diferentes.
O filme teve indicações ou venceu os principais prêmios da indústria cinematográfica mundial.
Cinco indicações ao Oscar de 2009 (melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro adaptado, melhor fotografia e o de melhor atriz, no qual Kate Winslet venceu).
Quatro indicações ao Globo de Ouro de 2009 (melhor filme, melhor diretor, melhor roteiro original e melhor atriz coadjuvante, prêmio no qual Kate Winslet venceu também).
Três no Festival de Cannes em 2009 (Palma de Ouro, Grand Prix e melhor interpretação feminina, mais uma vez vencida pela atriz Kate Winslet). Três indicações ao prêmio British Academy of Film and Television Awards 2009 (melhor filme, melhor diretor e melhor atriz, no qual Kate Winslet venceu). Uma indicação ao SAG Awards assim como ao European Films Awards ambos de 2009, ambos de melhor atriz, vencido pela Kate Winslet nos dois casos.
O filme é considerado um grande sucesso de público e crítica, arrecadando a bilheteria no valor de $ 33.484.347,00 nos três primeiros meses de exibição somente nos Estados Unidos.


 2. Enredo do filme e do livro:

I-                   O filme:

O filme se passa em Berlim, em 1995, quando o personagem Michael Berg (interpretado por Ralph Fiennes) remete sua lembrança à Alemanha dos anos de 1950, pós Segunda Guerra Mundial, especificamente em 1958.  
Ao ver pela janela um U-Bahn amarelo (transporte coletivo usado na Alemanha no decorrer do século XX, que lembra um bonde), Michael Berg lembra-se de quando tinha a idade de 15 anos (aqui interpretado por David Kross), na cidade Neustadt, onde sua família morava até então, passa mal durante o trajeto feito pelo U-Bahn.  Michal para em frente a um prédio, onde vomita, e é socorrido por Hanna Schmitz (interpretada por Kate Winslet), moradora do prédio e trocadora de U-Bahn.
Ao voltar para casa, o médico diagnostica Escarlatina, receitando que Michael fique de cama por três meses. O personagem passa a ler bastante neste tempo de recuperação. Ao ficar são, comenta com sua mãe que uma mulher o ajudou quando ele passou mal e ela o aconselha a ir visitar sua benfeitora.
Michael vai visitar Hanna, os dois se envolvem e acabam tendo um caso. No decorrer do tempo, Hanna indaga o jovem sobre o que ele aprende na escola, e passa a pedir para que ele leia os livros que usa na escola. Títulos como A Odisséia de Homero, A dama do cachorrinho de Anton Checkhov, e Huckleberry de Mark Twain. Hanna e Michael passam a se encontrar sempre com uma sessão de leitura e uma relação sexual.
Entre alguns conflitos por conta de posturas rígidas de Hanna, somadas a imaturidade de Michael, os dois mantém a relação, até que Hanna é promovida de trocadora para trabalhar no escritório de sua empresa, mudando sem avisar Michael, desaparecendo. O jovem estudante então sofre bastante com isto.
O filme passa a retratar o ano de 1966, quando o jovem Michael cursa direito na Universidade de Heiderlberg, e participa de um seminário conduzido pelo professor Rohl (Interpretado por Bruno Ganz), judeu que sobrevivente da Segunda Guerra.
Em dos julgamentos que acontecem na Alemanha neste período, Michael se depara com o julgamento de algumas mulheres acusadas de serem coniventes com a morte de trezentas judias queimadas vivas em uma igreja de Auschwitz (um acontecimento fictício que no filme é ilustrado  e que parte de um evento histórico real, a chamada ‘’Marcha da Morte’’, onde as tropas aliadas invadem a região da Normandia, assim como as tropas soviéticas ocupam cada vez mais territórios antes da Alemanha nazista, e os alemães passam a ter que recuar, levando consigo os prisioneiros de guerras judeus, antes em campos de concentração localizados nos territórios que os aliados tomam) no ano de 1944.
Para a surpresa de Michael, uma das acusadas era Hanna. Acontece uma das cenas mais impactantes do filme, quando Michael visita um antigo campo de concentração por estar atordoado com a descoberta que Hanna era uma ex guarda da SS, polícia da Alemanha nazista. Há uma discussão no seminário, um aluno se posiciona a favor de uma punição rigorosa as acusadas e isto mexe com Michael.
O depoimento de Ilana Mather (interpretada por Alexandra Maria Lara), autora de um livro que narra como ela e sua mãe sobreviveram ao campo de concentração de Auschwitz, é decisivo para o desenrolar do processo.
Hanna admite todas as acusações que lhe são impostas, menos a suposta autoria de um relatório redigido após as mortes na igreja, porém, as demais rés a acusam de ter escrito e de ter sido a mente arquiteta de todo o fato. Hanna acaba admitindo a acusação por vergonha, uma vez que o juiz pede a ela que dê uma amostra de sua caligrafia, e ela prefere se acusar do que mostrar que era analfabeta. Michael enfim entende que Hanna sempre fez de tudo para guardar este segredo, seu analfabetismo, por isso pedia a ele para ler para ela.
Michael tenta contar a seu professor que sabia de uma informação que poderia mudar todo o curso do processo, porém, não conta a ele o que é, uma vez que a própria Hanna prefere ocultar o fato de ser analfabeta. O juiz dá a sentença, diferenciada para as outras rés, e prisão perpétua a Hanna, acusada de ser mentora de tudo.
Michael se casa, tem uma filha, se divorcia. Visita sua família em Neustadt, revê seus livros, os que lia para Hanna, tem a ideia de gravá-los em fitas cassete e as envia junto a um toca fitas a Hanna na prisão. Ela começa a aprendera ler e a escrever, associando os livros às fitas, passando a enviar cartas para Michael, que nunca responde as cartas, mas continua a enviar as fitas.
Em 1988, Michael é surpreendido com um telefonema de uma funcionária da prisão, pedindo que ele ajude Hanna na sua reintegração junto a sociedade, pois a mesma havia estado mais de 20 anos presa. Michael finalmente a visita, com várias opções para que Hanna seja ajudada. Ela se suicida na noite anterior a sua libertação. Deixa um pote com uma quantia em dinheiro exposta em uma carta que a mesma deixou.
Hanna queria que Michael procurasse Ilana e a desse o pote com o dinheiro, ele vai aos Estados Unidos e se encontra com Ilana, que numa conversa, fica com o pote mas pede a Michael que invista o dinheiro onde este desejar, ele então tem a ideia de investir estas economias em uma instituição de ajuda ao combate do analfabetismo.
O filme termina com uma bela cena, onde Michael leva sua filha para visitar o túmulo de Hanna, e conta toda a sua história vivida com ela, explicando o porque de várias atitudes estranhas dele ao redor de sua vida.

II-                O livro:
Como toda obra adaptada para o cinema, O Leitor na sua versão de livro é muito mais abrangente se comparada ao filme. Com muito mais riquezas de detalhes e até mesmo com uma leitura diferente dos acontecimentos.
O livro gira em torno dos debates de consciência de Michael, sobre todos os fatos acontecidos em sua vida e que remetem a Hanna, o filme não, se preocupa mais em mostra os fatos, por muitas vezes, os pensamentos de Michael não subentendidos apenas, no livro, são o cerne das questões quase que o tempo todo, a base da narração, o que torna o livro muito mais rico.
No livro há uma ênfase muito maior de personagens, como na mãe de Michael, que era professora de Filosofia, suas descrições em relação aos irmãos, e sobre toda sua família em si. Há diálogos riquíssimos entre Michael e seu pai por exemplo, não relatados no filme, o pai de Michael no cinema praticamente não tem destaque, assim como sua família no geral, algo que o livro valoriza muito.

O livro se inicia com Michael aos 15 anos de idade, não com uma lembrança de sua fase adulta, como no filme, e sim com uma narrativa dele enquanto adulto. Na versão literária, Michael teve hepatite, e não escarlatina, como retrata o filme. A cidade onde Michael morava no livro chamava-se Blumentrasse, Hanna morava em Bahnhofstrasse, e não em Neustadt, coforme o filme relata.
O livro conta que um homem conduz Michael ao apartamento de Hanna, fato que não ocorre no filme, além de detalhar precisamente a timidez de Michael, suas refutações e desistência de ir ao encontro de Hanna, acontecimentos ocultados no filme. No filme, existe a personagem Sophie, porém, não retrata um caso de Michael com ela, fato que acontece no livro.
O crime na qual Hanna era acusada no livro é diferente da adaptação cinematográfica, no livro o crime foi o de um bombardeio a um campo de concentração, e não um incêndio numa igreja, conforme relata o filme. Este campo ficaria perto de Cracóvia, era ligado a Auschwitz, porém, não era lá, conforme ocorre no filme.
O livro dá muito mais ênfase a obra literária escrita por uma sobrevivente, dá também riqueza de detalhes do julgamento, diálogos entre Hanna e seu advogado, troca de olhares entre ela e Michael durante o julgamento, acontecimentos não relatados no filme.
O livro se preocupa em descrever partes do casamento de Michael com a personagem Gertrud além de acoplar a realidade dos personagens ao contexto histórico com maior maestria, haja vista que Michael é especialista em estudar o Direito no Terceiro Reich, algo nem se quer dito no filme.  Michael visita o túmulo de Hanna sozinho, embaraçado com suas lembranças e interpretações do passado, no filme ele vai com sua filha Julia.


3. Contextualização histórica:

O filme O Leitor foi produzido no final da primeira década dos anos 2000. Neste período histórico, explodia a crise econômica que assola a Europa e os Estados Unidos até os dias de hoje, particularmente em países europeus, o desemprego aumentou bruscamente, e a crise econômica começara a ecoar nos cenários social e político no continente, ao ponto do fantasma da ideologia nazista, através de partidos políticos de orientação ultra-direitistas, ganharem notoriedade no cenário político em alguns países.
O cenário descrito no parágrafo anterior lembra bastante o cenário histórico do pré-Segunda Guerra Mundial, assolado pela crise econômica de 1929, onde a ideologia nazista e fascista, antiliberais, e antidemocráticas, ganharam notoriedade na Alemanha e em outras regiões europeias, conforme descreve o historiador José Robson de Andrade Arruda, em seu artigo ‘’A crise do capitalismo liberal’’. (ARRUDA, 2000, p. 22)
O belíssimo filme O Leitor, a meu ver, foi redigido, produzido e lançado exatamente no fim da última década, para levantar uma reflexão sobre as condições que uma ideologia como nazismo pode acarretar em uma sociedade, afinal, um dos elementos que mais me chamou a atenção, tanto no filme, quanto no livro, é o impacto que causa ao cidadão alemão comum, retratado pelo personagem Michael Berg, e por outros que compõe o enredo das duas versões, quando se toca na questão da Segunda Guerra.
Nem o filme nem o livro são narrados dentro do contexto da Segunda Guerra em si, os acontecimentos que acusam a personagem Hanna como ex guarda da SS, são remetidos no enredo, não acontecidos no real time da história, porém, a todo o momento a Alemanha nazista está em volta do cotidiano dos personagens, ainda que esta não existisse mais.
A lição por trás do enredo está bem de acordo com o que o filósofo alemão Theodor Adorno, em seu artigo ‘’ Educação após Auschwitz’’ mostra:

‘’A exigência de que Auschwitz não se repita é a primeira de todas para a educação. De tal modo ela precede quaisquer outras que creio não ser possível nem necessário justificá-la. Não consigo entender como até hoje não mereceu tão pouca atenção. Justificá-la teria algo de monstruoso em vista de toda a monstruosidade ocorrida. Mas a pouca consciência existente em relação a estas exigências e as questões que ela levanta provam que monstruosidade não calou fundo nas pessoas, sintoma de persistência da possibilidade  de que se repita no que depender do estado de consciência e de inconsciência das pessoas.’’  (ADORNO, sp)


Na última Eurocopa, este receio impactante entre os alemães e o nazismo, ficou ainda mais evidente. A competição foi disputada conjuntamente entre Ucrânia e a Polônia, país este que abrigou diversos campos de concentração nazistas, antes do início dos jogos, a delegação alemã visitou um destes campos, um momento emocionante sem dúvidas, para eles e para todos que avistaram este acontecimento.
Não importa o envolvimento, se houve ou não, nem a que geração alemã pertence o indivíduo, haverá na maior parte dos casos um relacionamento particular entre os alemães e a História da Segunda Guerra. O livro e o filme retratam isto com maestria, improvável não perceber a emoção  do momento no qual o personagem Michael visita um campo de concentração, ou simplesmente quando o julgamento de Hanna é propagado de alguma forte no enredo da história, seja no filme, seja no livro.


4. Referências Bibliográficas


SCHLINK, Bernhard. O leitor. Rio de Janeiro: Record, 2003.

ARRUDA, José Jobson de Andrade. A Crise do capitalismo liberal. In FILHO, Daniel Aarão Reis. O século XX. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2000.


http://pt.wikipedia.org/wiki/O_Leitor. Wikipedia (2001). Acessado no dia 28/05/2013, às 17 horas.

ADORNO, Theodor. http://www.educacaoonline.pro.br. Educação on-line (2003).  Acessado no dia 28/05/2013, às 17 horas.




Sola Scriptura!

Sola Scriptura!